NOTÍCIAS
Indústria 4.0 Como Fazer Parte da Era das Fábricas Inteligentes

Indústria 4.0: Como Fazer Parte da Era das Fábricas Inteligentes?

Assistimos, na primeira fila, à Quarta Revolução Industrial, frequentemente denominada de Indústria 4.0. O aparecimento de diferentes tecnologias, como a inteligência artificial, a robótica, a Internet of Things (IoT) ou a Industrial Internet of Things (IIoT) tem vindo a transformar os processos de produção e introduzido o conceito de fábrica inteligente!

Um sistema de produção automatizado ou uma fábrica inteligente permite gerir de forma eficiente as ausências dos colaboradores, garantindo ao mesmo tempo a flexibilidade necessária para uma rápida adaptação às variações bruscas da procura ou, se for caso disso, passar a produzir novos produtos.

Depois de vivermos um contexto atípico de pandemia, torna-se evidente a importância e o potencial das fábricas inteligentes. 

SEIS PRINCÍPIOS DA INDÚSTRIA 4.0

Interoperabilidade: Os sistemas ciber-físicos (suporte de peças, estações de montagem e produtos), os humanos e as Fábricas Inteligentes conectam-se e comunicarem entre si através da Internet e da Computação em Nuvem.

Virtualização: uma cópia virtual das Fábricas Inteligentes é criada por sensores de dados interconectados (que monitoram processos físicos) com modelos de plantas virtuais e modelos de simulação.

Descentralização: a habilidade dos sistemas ciber-físicos das Fábricas Inteligentes de tomarem decisões sem intervenção humana.

Capacidade em Tempo-Real: a capacidade de coletar e analisar dados e entregar conhecimento derivado dessas análises imediatamente.

Orientação a Serviço: oferecimento dos serviços (dos sistemas ciber-físicos, humanos ou das Indústrias Inteligentes) através da Computação em Nuvem.

Modularidade: adaptação flexível das Fábricas Inteligentes para requisitos mutáveis através da reposição ou expansão de módulos individuais.

O QUE SÃO AS FABRICAS INTELIGENTES?

No relatório “The smart factory”, a Deloitte destaca cinco aspeto chave das fábricas inteligentes:
 
  1. Conectividade: fábricas inteligentes exigem que os processos estejam conectados para gerar dados atualizados, fulcrais para tomar decisões fundamentadas e em tempo real. Esta integração de dados permite uma visão completa dos processos, impulsionando tomada de decisões conscientes.
  2. Otimização: Uma fábrica inteligente permite que as operações sejam executadas com uma intervenção manual mínima, baseando-se em fluxos de trabalho automatizados e de elevada fiabilidade.
  3. Transparência: o acesso a dados atualizados em tempo real permite uma maior visibilidade de todo o processo, permitindo a tomada de decisões fundamentadas.
  4. Proatividade: num sistema proativo, os colaboradores e os sistemas podem prever e agir antes do aparecimento de anomalias. 
  5. Flexibilidade: uma fábrica inteligente tem a flexibilidade de se adaptar às mudanças com o mínimo de intervenção e impacto. 

Como fazer parte da era das Fábricas Inteligentes?

Transitar para uma fábrica inteligente não é um processo que acontece de um dia para outro. O primeiro passo será traçar uma estratégia abrangente, que agregue toda a organização. 

Para gerir uma fábrica inteligente é fundamental pensar em otimizar processos e considerar uma solução integrada, que aumente a produtividade e reduza os custos. As soluções exclusivas desenvolvidas pela ESI asseguram o maior valor e desempenho para a sua indústria. 

Se gostou os outros também merecem ver! Partilhar Artigo

Share on facebook
Share on linkedin